sábado, agosto 21, 2010

Desinformação: a Mídia, o PT e as FARC (e Chávez também...)

É bastante curiosa a cobertura da grande mídia impressa quando se torna inevitável ter de mencionar as FARC, em especial se houver alguma tangência constrangedora com pessoas ou organizações brasileiras.

Nas últimas semanas isso ocorreu pelo menos duas vezes: a primeira foi quando o deputado federal Índio da Costa acusou o PT de vínculos com as FARC (da alegada associação ao narcotráfico ele se retratou posteriormente). A mídia noticiou a acusação, a revolta do PT com a mesma e o processo judicial que o partido anunciou abrir contra o deputado e também relatou a defesa de Serra ao seu colega de chapa candidata à presidência da república, que afirmou ser pública a ligação histórica entre as duas organizações (ao que eu saiba, Serra não está sendo processado). Relatadas as afirmações e as posições subsequentes das partes, a mídia parece ter se dado por satisfeita com o assunto e rapidamente o deixou para trás.

Em um segundo caso, o então presidente colombiano Álvaro Uribe acusou o governo Venezuelano de abrigar múltiplos acampamentos das FARC, com milhares de narco-terroristas, que serviriam de bases seguras para ataques ao território colombiano. O presidente Uribe parece ter apresentado provas ou evidências disso em um foro de países sul-americanos. Em resposta, o presidente Hugo Chávez rompeu relações diplomáticas com a Colômbia como registro e materialização de sua indignação diante da gravidade da acusação. De forma idêntica à primeira situação, a grande mídia se contentou em relatar as alegações e reações de cada lado.

Em ambos os casos não houve qualquer interesse em investigar o mérito das alegações opostas de cada parte e prover ao público indicações jornalísticas de com quem deveria estar a verdade, pois ou ela está com uma parte ou com a outra, já que estão em perfeita oposição, uma sendo a negativa da outra, e não podendo haver um meio termo, meia verdade ou "meia razão". Além disso, os méritos são absolutamente substantivos, materiais: ou o PT tem (ou teve) algum tipo de vinculação com as FARC ou não tem; ou existem acampamentos dessa organização em território venezuelano, sem reação ou oposição de seu governo, ou não existem os tais acampamentos.

A atitude da mídia é a própria negativa da razão de ser do jornalismo, que precisa ser investigativo por natureza. É assim que se dá, por exemplo, em casos criminais de grande repercussão: ou o goleiro Bruno matou ou mandou matar sua amante ou não o fez e é inocente; e vimos todos o exaustivo esforço jornalístico nesse assunto.

Em não tendo tido a imprensa atitude semelhante nos dois episódios, só há duas hipóteses possíveis:

  • O conteúdo ou mérito das acusações são muito irrelevantes ou desinteressantes, fatos banais mesmo, um “não assunto”, não merecendo energia investigativa na busca de saber com quem está a verdade afinal, e assim seriam equivalentes às brigas de bar que acabam com feridos ou mortos onde se relata apenas a confusão e suas consequências, mas o estopim é automaticamente reputado como irrelevante. Entretanto, parece que os acusados não compartilham dessa visão, pois reagiram muito indignadamente, com negativas veementes, processos judiciais ou rompimentos diplomáticos;
  • Descobrir e informar a verdade quando se trata de relações fraternas com as FARC não é conveniente, devendo os fatos, sejam eles quais forem, permanecerem encobertos.

Para a primeira hipótese, devemos arguir porque a mídia avaliaria que a eventual associação entre um partido político brasileiro com uma organização terrorista, em luta armada com governos legalmente constituídos e democráticos de um país amigo e fronteiriço, além de ser fornecedora de drogas para o tráfico nacional, não se reveste de importância alguma ao público brasileiro. De forma semelhante, porquê não nos interessaria saber se é fato que um outro país vizinho e amigo acolhe tal organização em seu território em um ato de hostilidade ao primeiro?

Para a segunda hipótese e suas implicações, o leitor deve tirar suas próprias conclusões.

10 comentários:

oficinadefilosofia disse...

E há jornalistas com culhão no Brasil? Qual o jornalista daqui que vai ter coragem de fazer matéria investigativa sobre as FARCs? Pegar vereador bundão corrupto é fácil, pegar mau policial é moleza, agora... quero ver lidar com essa turma, que lá na Colômbia arrepia, na Venezuela tem apoio total do governo e por aqui é garantida por cacique do PT... Jornalista também tem medo, pô.

NeoCon_Br disse...

Se fosse só um cagaço generalizado, "meno male", porém parece muito pior: Hegemonia cultural da esquerda nas redações. Cumplicidade ao invés de medo, explicaria melhor.

Viva a internet e seus blogs livres, senão, "samba de uma nota só"...

samuel disse...

Qual é o leitmotiv da tchurma do PT? A VOLTA AOS ANOS 1950: LULA e o PT representam a bandeira do Conservadorismo brasileiro, todas aquelas idéias que sempre frearam o desenvolvimento brasileiro: empreguismo público, monopólios estatais e privados, leis protecionistas, cerceamento da iniciativa privada e suas conseqüências, coronelismo, baixa produtividade, corrupção. ESTES SÃO OS NOSSOS VERDADEIROS CONSERVADORES...
Recomendo o ótimo artigo http://www.nivaldocordeiro.net/adestruicaodapequenaempresa
Este o motivo pelo qual não podemos ter um PARTIDO CONSERVADOR à moda dos EUA. O nosso passado, que LULA e o PT querem conservar, deve isto sim, ser enterrado.
Nós no Brasil não temos o que conservar como os EUA tem. A realidade é que temos de partir do zero se quizermos chegar aonde os EUA chegaram (antes de OBAMA, naturlmente)

NeoCon_Br disse...

Samuel

Concordo que não possa haver coisa mais retrógrada do que a esquerda (seja leninista, stalinista, gramscista ou qualquer outra). E junto com eles as oligarquias clientelistas tradicionais brasileiras, com as quais aliás se aliam alegremente a qualquer momento que seja útil ao seu projeto hegemônico de poder, com a maior cara lavada e sem-vergonha do mundo, fielmente aderentes à máxima leninista "os fins justificam os meios".

O que cabe conservar ou defender são as crenças, valores fundamentais, , que definem nossa identidade como sociedade e nação, e nosso legado civilizacional contra a guerra cultural gramcista sem trégua que a esquerda empreende contra todos nós.

Não dá para partir do zero (olha o germe revolucionário aí!) mas superar os inúmeros atrasos o mais rápido que for possível. Se estivéssemos no melhor caminho, não estamos e não estaremos tão cedo, seria trabalho para mais umas duas gerações ao menos.

Juventude Conservadora da UnB disse...

Ivan,

Realmente, não é fácil navegar contra a corrente esquerdista que há tanto tempo domina as nossas universidades. O patrulhamento ideológico é tão absurdo que nos sentimos vigiados pela própria NKVD. Ainda assim, sabemos - e sentimos - que o contraponto que representamos é não somente desejável, mas imprescindível.

Agradecemos a tradução do texto de Kirk. Num contexto onde pensadores marxistas são quase tidos como santos infalíveis, outros pontos de vista são necessários para a construção de um ambiente de ideias verdadeiramente democrático.

Abraços conservadores!

André R. disse...

Olá

Tenho também um blog a respeito de política, o qual vejo que dividimos opiniões parecidas. Lhe proponho uma troca de trafego para impulsionarmos nossas visitas e assim expandir o alcance de nossas palavras, se lhe interessa entre em contato.

http://transparenciapolitica.blogspot.com/

André R. disse...

Muito grato amigo, já adicionei seu blog também na lista dos meus.

Vejo que foi adicionado em seu site o link de uma postagem do Transparência Política, peço que por gentileza altere para minha página principal.

http://transparenciapolitica.blogspot.com/

Grande abraço

NeoCon_Br disse...

André

O endereço está certo: o modelo do blog que uso lista as primeiras linhas ou título da última postagem dos blogs listados, assim da minha página dá para saber quando houve uma alteração no seu blog.

Um abração,
Ivan

Marcus Ercilio disse...

Viajou na maionese. Comeu maionese estragada ou simplesmente pisou distraído sobre ela e derrapou?

NeoCon_Br disse...

Que brilhante argumentação! Com certeza, é proporcional a sua inteligência...