segunda-feira, outubro 04, 2010

Hegemonia Petista: Tempos Sombrios Adiante

image"É comum o indolente ver seus direitos serem tomados pelos ativos. A condição sobre a qual Deus dá liberdade ao homem é a eterna vigilância; se tal condição é descumprida, a servidão é, ao mesmo tempo, a conseqüência de seu crime e a punição de sua culpa"- John Philpot Curran (parlamentar irlandês, 1750-1817)  

O pequeno júbilo de todos que se opõem há consolidação da hegemonia petista, pelo quase inesperado segundo turno na eleição presidencial, evanesce ao  constatar-se que o avanço já obtido por suas hostes e aliados tendem a garantir maioria parlamentar suficiente para promover mudanças constitucionais sem poder de veto da mirrada oposição em vias de extinção acelerada. Ameaças sombrias como o PNDH-3 e seus tantos congêneres, o cerceamento da liberdade de imprensa e todas as frentes do ativismo de guerra cultural devem se avolumar assustadoramente no provável governo Dilma Roussef. Como  vaticinou José Dirceu, agora é a vez e a hora do PT.

O PSDB segue no papel de coadjuvante menchevique, cuja única razão de (ainda) existir é para servir de instrumento dialético à consolidação do projeto de poder petista. O Democratas coloca-se em situação semelhante ao ter-se tornado apenas uma sombra dos tucanos e tendo renunciado a mostrar-se e firmar-se como uma oposição verdadeira de valores e propostas. Seus caciques se contentaram em lutar para sobreviver e preservar seus feudos regionais, renunciando a uma potencial identidade democrata-liberal e muito menos de corte conservador. Ambos agora pagam o preço por sua leniência servil e caminham a passos largos para tornarem-se irrelevantes e descartáveis no futuro político muito próximo, depois do acachapante esmagamento sofrido nas urnas.

Não há oposição política verdadeira agora, dentro em breve não haverá nem para figuração.

3 comentários:

André R. disse...

Eu ainda tenho esperança meu caro, os mencheviques podem não ter os mesmos recursos e não usam a máquina do estado a seu favor, porém como temos sede de conhecimento e procuramos saber mais sobre as realidades, acabamos por nos tornar formadores de opinião com mais embasamento do que os bolcheviques.

Grande abraço
André
Transparência Política
http://transparenciapolitica.blogspot.com/

NeoCon_Br disse...

André,

Manter a esperança é essencial e a despeito do tom um tanto amargo do post, face a preocupação com o real perigo representado pela maioria obtida por eles por um lado e pela redução brutal da representatividade da oposição, creio que ainda temos alguma chance. (Ouviu a entrevista coletiva da Dilma hoje? Eu ouvi, e me preocupei mais...)

O que dá um pouco de raiva é não ver uma postura oposicionista clara e contundente de quem tem esse dever para umaa parcela da população sem voz e sem representação (além de estar se provando uma péssima estratégia). O melhor seria que se livrassem dos marketeiros...

Não esmorecemos, continuamos na luta!

Um grande abraço,
Ivan

Dante Ignacchitti disse...

Uma rã estava à margem de um rio, quando avistou um escorpião. Por instinto, entrou um pouco na água. Aproximando-se, o escorpião disse: - " Dona rã, bom dia. Tem um congresso internacional de escorpiões do outro lado, e estou em cima da hora. Não poderia dar-me uma carona, levando-me nas suas costas?" A rã, surpresa, respondeu de plano: -" E você acha que sou boba?!! No meio do rio, você me ferroa e eu morro! Conheço sua fama!!" Ao que o esperto escorpião replicou: "- E você acha que eu seria tão estúpido?! Olhe que absurdo, que falta de lógica: se eu a picar, morreremos ambos, pois eu não sei nadar!!"
A rã, ante esta resposta, caiu em si e disse: "- É, realmente seria um absurdo, sem lógica alguma, você não seria louco. Mas assim que chegarmos, você salta para a terra, eu fico uns centímetros na água, certo?" "-Claro! Sem problemas!" respondeu o escorpião, saltando em suas costas. E lá foram. No meio do rio, a rã sentiu na nuca a ferroada mortal. Apavorada, gritou: "-Você é louco! Disse que seria um absurdo, que não tinha lógica picar-me! Agora vamos ambos morrer! Gemeu a rã. Ao que o escorpião retrucou: "- Desculpe-me, não pude evitar: é a minha natureza!"

Assim é a natureza do socialismo, anarquismo autogestionário ou comunismo: não há versão "light"; há versão disfarçada, contida, velada, falsa, enquanto não assume o poder total; tão logo chegue aonde planejou, isto é, ao poder total, ele irá picar toda a sociedade com seu veneno mortal, controlando-a nos detalhes do quotidiano, estabelecendo regras infinitas, proibindo, tolhendo, cerceando, até aniquilar toda e qualquer individualidade, toda e qualquer iniciativa privada, toda e qualquer propriedade, todo e qualquer pensamento ou opinião contrária ou até levemente discordante, até chegar aonde sua natureza o conduz: ao controle férreo das pessoas, transformadas em "massas," e a criação das duas únicas classes que o comunismo comporta: a da sociedade escrava e a dos senhores dirigentes, chefes de grupo, líderes intelectuais, dirigentes, fiscais, espiões, delatores e demais escorpiões, infiltrados em todos os segmentos da sociedade, transformada em uma triste e inerte massa de rãs mortas.