quinta-feira, outubro 07, 2010

Desinformação: Dilma e o Aborto

Em Outubro de 2007, quando diretamente questionada sobre sua posição sobre a legalização do aborto, a senhora Dilma Rousseff disse com todas as letras e convicção possível ser favorável a sua descriminalização. Veja o vídeo abaixo:

Dilma defendo aborto em 2007

É possível que um adulto mude de crenças que estão enraizados no âmago do seu ser? Certamente que sim. Entretanto, o usual é que tais mudanças ocorram paulatinamente em uma escala de tempo que se mede em décadas e em geral refletem o amadurecimento do indivíduo. Por exemplo, um adolescente ou mesmo um jovem adulto pode avaliar o aborto provocado como algo palatável e na maturidade, após ter filhos ou netos, estar na posição oposta e se tornar um firme opositor dessa prática. Não se espera que pessoas de meia-idade sãs tenham mudanças de crenças em temas fundamentais de ordem moral.

Mudanças repentinas são também possíveis quando se sofre um grande trauma. Alguém pode passar a defender a pena de morte ou o endurecimento penal se sofrer, ele próprio ou algum ente querido, uma grande violência ou injustiça. Num sentido positivo, outro pode passar a professar crenças e valores de uma religião se tiver uma Revelação.

No caso da senhora Dilma, uma mulher madura e mãe de adulto(s), e ao que se conste sem nenhum episódio traumático ou transcendente recente, essa inversão completa de “polaridade” sobre o aborto teria ocorrido nos últimos 3 anos. Será? Não me consta também que ela tenha reconhecido uma mudança de posição nesse período e os arautos de seu partido bravateiam indignados como se ela nunca tivesse tido opinião distinta da qual deu testemunho cabal.

Agora, os agentes de desinformação do PT é inútil chiarem que a internet livre está espalhando “boatos insidiosos” a respeito do assunto quando existe prova documental visual! A técnica leninista-orelliana de repetir uma mentira até que ela se torne verdade não pode prosperar nesse caso. É mais pungente ainda quando se sabe que o partido fechou questão pela descriminalização nesse mesmo ano, para todos os seus filiados, o que obviamente inclui a senhora Dilma, e é no mínimo “exótico” que eles próprios defendam que ela seja dissidente de uma posição partidária fechada. Então tá, ela pode mas outros não.

A verdade deve prevalecer, e a partir daí cada eleitor faz sua avaliação e seu julgamento.

3 comentários:

André R. disse...

Ela mudou porque todos os principios que ela acredita (enraizados no amago), são frágeis e são baseados no ibope ou na opinião do marqueteiro. Seria muito diferente se ela fosse testada na máquina da verdade.

Se quisermos saber o que realmente pensa, basta fazermos como vc, pegar videos antigos e deixar que ela fale. Muitos terão uma grande surpresa.

Grande abraço
André R.
http://www.transparenciapolitica.blogspot.com/

CQCM disse...

Acho que uma eleição cujo foco principal é um questionamento desses "favor ou contra aborto" mostra o quão provinciano é o país. Não defendo Dilma, mas ela ser ou não contra o aborto não muda em nada, o presidente não toma faz leis sozinho, precisa do plenário pra aprovar alguma lei dessas.

Todo mundo é contra o aborto até a filha de 13 anos engravidar.

Se é contra o aborto, Ok. Não aborte, deixe as pessoas terem as suas decisões. O cigarro é legalizado, fuma quem quer. Entende.

NeoCon_Br disse...

Só que no cigarro o sujeito se mata sozinho (se fumar longe dos outros), no outro caso uma pessoa morre, entende?